terça-feira, 19 de outubro de 2010

Beijei um sapo.


Quantos sapos a gente não beija nessa nossa existência e quantos príncipes continuamos a esperar enquanto a ampulheta do tempo se esvai. Bonito, né? Mas, o sapo continua lá. Lembro que uma vez, em uma festa tinha um garoto lindo de morrer. De morrer mesmo, porque ele não podia sorrir porque faltava um dente. Tudo bem, defeito pequeno, fácil de consertar. Mas, eu não tinha tempo. Lembro também daquele liiiiiiiindo musculoso em sua moto e que um dia me aparece de bicicleta, sunga, camiseta regata, meia três quartos e chuteira. Pera aí? Ou ele nadava ou jogava futebol ou andava de bicicleta. E cadê a moto? Acho que foi em momentos como esses que constatei literalmente que as aparências enganam. E como. Não sei o que é pior, se sentir Cinderela ou querer ser ela lavando chão à espera do salvador. Haja escovão! Ou então ser Branca de Neve, morta em vida, à espera do beijo salvador. Vida engraçada essa de princesa, para não dizer sofrida. E viva a modernidade!. Se o tempo não pára, vamos correr com ele. O bom mesmo é acreditar e continuar tentando. Beijei um sapo e não me arrependo. Sapo era e sapo permaneceu. Com certeza, a sapa gêmea apareceu.

3 comentários:

  1. eu tb já beijei váaaarios sapos. Alguns me arrependo sim!!!! Depois do beijo, viraram príncipes e escafederam-se. Mal-agradecidos, rsrsrs Esse encanto eu não quebro nunca mais, que os continuem cloachando noutra freguesia!

    ResponderExcluir
  2. De sapo em sapo... uma hora surge o príncipe! O que não podemos amiga, é abrir mão do que sabemos que queremos. Se não trairmos nossa verdade, nossos sonhos, nao há mal algum em beijar sapinhos por aí. Desde que não deixemos que a carência os promova a príncipes, claro.

    ResponderExcluir
  3. Cada vez mais percebo que sapo é sempre sapo... não se transforma em príncipe. Se fantasia de galã com os acessórios dignos de um príncipe, até fala como um, mas age como um sapo!!!

    ResponderExcluir