segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Saudade

Saudade vem do latim solitate que quer dizer solidão. Acho que saudade é a  solidão da ausência das coisas que estão longe, das coisas e sensações  que passaram  e daquilo que não podemos alcançar neste exato momento. Tenho saudade do tempo que passou e não volta . Às vezes sentimos saudade de um tempo de felicidade em que nem percebíamos que éramos tão felizes, porque costumamos achar que o feliz de ontem era maior que o feliz de hoje ( nem pensamos que certamente o de hoje será bem maior  que o  de amanhã). Saudade de lugares que podem ser revisitados em outros momentos, mas que nunca serão os mesmos, porque também não somos mais os mesmos . Saudade do quem  está longe e que em algum momento vai poder se abraçar. Saudade de quem  está longe e por mais que queiramos o abraço não se pode ter mais. Saudade das lições, dos bichos, do cheiro de terra molhada e do vento que vem com a chuva. A solidão boa da saudade é apenas por sabermos que ela faz parte do que somos seja bicho, planta, cheiro, lugar, gente... Ah, e essa reflexão é só porque uma amiga me lembrou que hoje é dia da saudade.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Acaba 2016

Acaba logo 2016. Como ouvi e li isso durante todo o ano nas redes sociais, na vida social ou simplesmente por ai. Mal começou e já tinha gente querendo o fim. Afinal, é tanta tristeza e frustrações, sejam pessoais, políticas, astrais... Com aqueles dias pesados e repletos de lágrimas, mas que por algum motivo muito esquisito permite em algum momento um breve sorriso. O fato é que o começar tudo de novo envolve uma grande dose do que o próprio nome representa: novo. Com ele, estão os seus companheiros, o desconhecido e o medo. Mas,  o novo traz também esperança e recomeço que sempre estão colados em amigas como disposição e fé. Sou grata porque no balanço do ano que ainda passa, os dias para celebrar pesam mais do que os para esquecer. Às vezes, o motivo está em uma gravidez, um relacionamento, emprego ou promoção. Ás vezes, está em conhecer lugares e pessoas. Talvez, esteja apenas em abrir os olhos todos os dias e respirar.
Acaba sim 2016. Sou grata pelos seus 365 dias... Que em 2017 eu possa ser acolhida pelo novo como uma velha conhecida, pois desconfio que a aventura que nos torna cada dia mais humanos reside nesse abraço.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Novembro para guardar

Em um piscar de olhos, novembro chegou... Hora de juntar o que ficou largado em nossa vida nos meses que se passaram ... E olha , que não é pouco... Tem coisas que a gente se recusa a guardar embora ande vestido com elas, às vezes, 24 horas,em outras, vários dias: frustração, tristeza, raiva, desânimo, preguiça... Na hora de recolher tudo só queremos carregar as coisas boas, mas elas estão guardadas. E a gente só pode torcer que quando chegar a hora de limpar os armários possa dar o que sobra em nossa vida e que, muitas vezes, falta na dos outros que estão necessitados de alegria, esperança, vitórias, momentos felizes... Quando dezembro chegar que possamos realmente dar ao outro o que nos sobra de bom ... Aquilo que não serve, que se jogue fora... Vamos começar a recolher agora para poder separar direito. Passado dezembro, em janeiro, que a gente tenha espaço para começar tudo de novo vestindo o que há de bom e de ruim nessa vida, bagunçando, espalhando, organizando o que faz essa vida ser o que é ! Um ótimo novembro para nós!

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Agosto

Agosto, eterno mês do desgosto. Para muitos, mas não para mim. Está certo que o mês vai ser movimentado no cenário político e esportivo. Mas, que o mês seja leve, feliz .. Às vezes, passamos por situações ruins no dia a dia e nem percebemos que o nosso agosto aconteceu naquele exato momento e não em um mês de 31 dias com milhões de acontecimentos que vão desde chegadas até partidas; promoções, demissões;  comemorações e fundo do poço... Está achando a vida difícil? Ah, mas pode melhorar... Acredite! Que seu agosto tenha um gosto diferente e que ele possa ser um janeiro ou dezembro ou até mesmo setembro. E como diz o poeta, que acima de tudo ele seja doce.  

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Morrer de viver


Estava pensando nas milhares de oportunidades que a vida nos dá todos os dias e que nem percebemos. Na chance de fazermos novo, melhor ou simplesmente não fazermos nada. De contar cada dia como menos um ou mais um e de se repetir naquelas atitudes que prometemos nunca mais fazer igual. Estava pensando na vida e em como ela nos torna plenos de tudo aquilo que buscamos para sermos mais meio cheios do que vazios.Se a gente nasce, cresce, morre, ao morrer  não quero um rótulo como  morreu de amor, ou então que morreu  de velhice  ou de  doença. Se as escolhas são permitidas e optamos pelo caminho diariamente,  quero a melhor opção de todas,  simplesmente morrer de viver. 

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Acredito em Papai Noel

- Papai Noel existe?  
- Existe, enquanto você acreditar nele!
Eu ainda acredito. Acredito no pacote que ele traz, não só de coisas boas, mas de reflexão sobre o que somos e para onde estamos indo. Acredito que precisamos ter  uma certa dose de fantasia para viver em um mundo de desiguais, onde o tempo nem sempre é o melhor aliado. Acredito  sim  que o bom velhinho vai atender meu pedido e  me ajudar a ser melhor porque para receber  é preciso merecer. Precisamos ter tido um ano onde o que é bom pese mais do que o ser mau. Acredito em Papai Noel. Que ele traga amor, família, amigos que permaneçam. Que ele exista como fé. Para mim Papai Noel existe também como Natal. Que você mereça sua visita e que o Natal seja maravilhoso como os dias devem ser. Feliz Natal!                                                                                                  

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Um ano que são muitos

"- Estou cansado(a)!" Frase tantas vezes dita e ouvida nesta época e sempre atribuída ao fato de estarmos chegando ao fim de 12 meses de um ano atípico com Copa do Mundo, eleições, alegrias e aborrecimentos. Ah, 2014... Acho que vivemos vários anos em um, vários dias em cada 24 horas. Tempo sempre insuficiente para tantas emoções entre alegrias, frustrações, gritos de gol e choro de derrota. Divergências. Esquerda, direita, centro, em cima do  muro. Amizades por um fio. Canso só de pensar. Mas, se o ano são muitos e os dias também, a vida segue sem compasso de espera em direção ao novo que sempre se revela naquele último dia dos 365 em que Drummond, Quintana e palavras pulam das páginas para dizer que existem receita e esperança no que se inicia. Estou cansada e não acho tão ruim, sinal de que faço e recebo muito nesta e desta vida. Sou grata. Que os ponteiros virem logo, que o novo se revele e que 2015 seja tudo aquilo que muitos anos em um não conseguiram ser.