quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Há um Natal em mim

Quando era pequena, esperava o Natal ansiosa, não entendia muito o seu sentido, mas sabia que Papai Noel iria trazer presentes. Fui crescendo e percebendo que existe uma época diferente do ano, em que o ar se transforma e as pessoas estão mais felizes e que o Natal pertencia a uma outra criança, o aniversariante. Talvez por isso, as luzes brilham mais fortes e prestamos atenção nelas... Prestamos atençâo e queremos o abraço, o sorriso, o estar junto. Sentimento bom de acreditar, de voltar no tempo , de ter esperança. Cresci mais um pouco e descobri que há um Natal em mim. Descoberta sempre vivida embora em tantos momentos, desconhecida. O Natal tenta sobreviver em mim os 365 dias do ano... Tem dias que com sucesso e outros, nem tanto. Se celebramos nascimento, renascimento, perdão, amor, solidariedade, risos, abraços, reencontros e encontros, o Natal nos acompanha teimoso. Viver é um ato de fé e talvez por isso, o Natal mexa tanto comigo. O responsável é o aniversariante. E não interessa se você acredita ou não nele. Essa criança quer salvar o mundo e quer também que você salve o mundo  de alguém . Há um Natal em mim e isso definitivamente me faz feliz.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

O mundo vai acabar, vamos construir?

Tem gente estocando vela ou champanhe à espera do fim do mundo. Como tudo vai terminar depende do humor de cada um e das expectativas em relação a esse nosso mundo. Alguns querem mesmo que o mundo acabe, de preferência em barranco, para morrerem encostados. Outros, por uma questão de fé ou falta dela, preferem se trancar em casa esperando a escuridão. Aliás, só escapa do breu quem tiver velas, muitas velas... Enfim, tem gente de todo tipo à espera do fim do mundo: dos fanáticos aos descrentes. Até porque o fim está próximo e tem data:21 de dezembro de 2012. Mas, desde que nascemos não estamos à espera do fim?Essa não é a única certeza que temos, por mais apegados que sejamos a vida? Só que não sabemos o quando. O mundo acaba um pouco todos os dias e, às vezes, lemos notícias desse fim e nem percebemos. É que estamos preocupados com o nosso próprio fim do mundo ou com nossos problemas cotidianos, alguns do tamanho do planeta e até do universo... A arte de construir é o mais difícil. Juntar os cacos e reconstruir também. À espera do fim do mundo vamos construir e se ele acabar? Mãos na massa para reconstruir.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Seu Zé e Carolina

Conversa de salão. A pessoa diz: "meu sogro sempre trabalhou e não gastou o dinheiro dele com nada. Um dia me disse, que a vida passou tão depressa que ele nem viu." Podia ser uma frase dessas positivas, mas nesse caso, não. A vida passou e Seu Zé , vamos chamá-lo assim, resolveu fazer um dueto com a Carolina do Chico Buarque, aquela que não viu o tempo passar. A vida e o tempo são siameses. Não ver que a vida passou é, de repente, não prestar atenção em si mesmo. A vida está ali porque quer também ser feliz e se abastecer de algo que não seja o trabalho, por mais que ele possa representar um outro tipo de felicidade e trazer outros tipos de compensações. O mais difícil  pode ser a conquista das pequenas coisas que nos trazem grandes prazeres. Parar para ver o sol, as árvores, as pessoas... Reparar no mundo que está ao nosso redor e que pode ser muito lindo. A  vida passou Seu Zé, mas não acabou. Se o senhor não está morto convida a Carolina para sair. Perceba que existe e faça acontecer.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Encantamento

Dia desses uma pessoa procurava algo que tinha sido noticiado, mas não encontrava a tal notícia. Diante da impossibilidade de resgatar um fato que ele acreditava ter lido soltou a seguinte pérola: “sumiu, acho que acabou o encantamento”. Como? Sim a notícia sumiu, porque quando acaba o encantamento as realidades mais lindas ou mais duras simplesmente deixam de existir. Acabou o encantamento? Sim, mais o Papai Noel, o Coelhinho da Páscoa, o Príncipe , o Sapo, tudo em que a gente acreditou, estão por ai.  Não se pode esquecer nem  o Bicho Papao nem  o Lobo Mau. Eles adquiriram outros nomes e outras formas. Tudo que povoou um dia a nossa realidade encantada deixou de existir, porque o encantamento acabou. Ficamos sérios demais, crescemos... O encantamento por mais que insista em desaparecer dos nossos olhos continua por ai.. Contra todas as estatísticas do crescer, tem muita criança interior que carrega esse encanto como uma verdade tatuada. O mundo anda meio sem graça. A notícia sumiu? Ainda bem, porque eu li  outra , muito mais interessante, que Papai Noel anda pensando no que merecemos de Natal.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Acontecimento

Conversando com uma amiga sobre toda a dor que sentimos em determinados momentos da vida, quando achamos  que não vamos conseguir superar, chegamos a conclusão que tudo é um processo que se transforma em um acontecimento. É que, de repente, um belo dia a gente  acorda e,  como por mágica, tudo foi embora. Para chegar a esse momento é preciso, às vezes, muito sofrimento e chateação, muita cabeça cheia de pensamentos ridículos e de muito drama, que poderia ser vendido como uma história para alguma novela mexicana. A dor é um processo e,  quando  passa  num repente,se transforma em um acontecimento. Várias coisas  na vida  podem ser um  processo ou um acontecimento. São como  aquelas  nuvens negras no céu que começam a ser formar anunciando a chuva que de repente cai. Claro que cada um pode interpretar como quiser. Para mim, o processo é essencial para se chegar ao acontecimento. É preciso digerir toda dor  ou chateação, ou seja lá qual for o sentimento esquisito que teima em persistir, para se chegar  até aquele momento, não um qualquer, mais "o" momento em que descobrimos que somos capazes da superação e de fazer da nossa vida um constante  acontecimento.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Janelas

Tenho certeza absoluta que quando Deus fecha uma porta abre sim  janelas  por onde podemos ver o mar, o por-do-sol ou qualquer outra paisagem que seja uma necessidade imediata... As mudanças estão sempre em nossa vida e é inevitável abraçá-las por mais doloridas ou desconhecidas que sejam. É que nem sempre parecem ganhos ou somas. Às vezes, busca nossa e outras, do outro, que nessas horas não parece bem vindo, porque é aquele que cobiça, usurpa e parece impedir de crescer. Ele não é mais alto que a janela que se abre, pode ser até aquele degrau/impulso que precisamos para alcançar, olhar e chegar ao outro lado. As janelas estão por toda parte esperando se tornarem visíveis. Da minha, ainda entreaberta, vejo um caminho onde posso seguir em frente. Isso faz toda a diferença para a esperança que me sorri.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Acabou, você me faz feliz

Uma  pessoa tinha terminado  um relacionamento  e perguntei o que tinha acontecido. Ela me disse que o "ex" falou que não dava mais e justificou que no tempo que passaram juntos ele  tinha ido a lugares que nunca pensou, se divertido muito e sido feliz, enfim, estava na hora de voltar a velha vida. Como assim?  Pensei logo que ela tinha mesmo que se desculpar por fazer o outro feliz. Que absurdo! Como tirar uma pessoa do mesmo e apresentá-la ao novo? Esse motivo de término de relacionamento é inédito, pelo menos para mim. Já vi gente terminar por causa de traição, por desamor e até excesso de amor, por precisar se dedicar aos estudos e até mesmo por causa do trabalho... mas,  por  felicidade? Essa desculpa é tão nova como é antiga a busca de ser feliz, seja sozinho ou com o outro. E cá pra nós, ela é tão furada, que só podia mesmo resultar em  uma boa dose de arrependimento.  Por isso, quem não queria ser feliz voltou correndo para aquela que é, pelo menos no momento, a causa de todas as suas  felicidades.

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Mãe


Está chegando aquela data comercial/afetiva que todo mundo adora: o dia das Mães. Correria para comprar presente...Na minha opinião o maior presente é a própria maternidade que é exercitada até por quem não tem filhos biológicos. O amor maternal, a atitude maternal , a gente tem desde sempre. Exercitada quando acolhemos amigos chorões, adotamos o outro como filho e prometemos protege-lo. Até mesmo aquele animalzinho que ensina o amor incondicional é um exercício diário... Absurdo? Absurdo é não amar, é ter filhos e não saber ser cúmplice, é não criar laços e passar a vida em branco, preocupada com o ter e deixar o sentir para segundo plano. Minha ideia de maternidade é essa. Um ótimo dia das mães para quem é mãe e para quem se sente.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Afetividade


Estava conversando com uma amiga sobre dar colo e quantas vezes as pessoas exigem que a gente sempre esteja disposta a ser o sorriso e o alto astral em relacionamentos. Dizem que aquilo que sobra em nossa casa, com certeza falta em alguma outra. Afetividade também. Às vezes, começamos com tanta afetividade e ombro amigo, que se não renovamos o estoque vão-se os dedos e todos os anéis. É preciso se amar um pouco mais e ter uma fase um pouco egoísta para também poder se dar. Acho que é por isso que de vez em quando, aquela pessoa sempre e super alto astral se torna sombria e ninguém entende nada. Não se pode exigir que se doe o que não se tem suficiente. Não é egoismo, é sobrevivência. Isso não é gostar menos do outro porque tudo na vida também é um via de mão dupla. Respirar, recarregar e amar sim o outro como a si mesmo, começando pelo mais óbvio, por si.


quarta-feira, 25 de abril de 2012

Uma princesa no elevador

Outro dia encontrei uma princesa. Entrei no elevador e lá estava minha vizinha, do alto dos seus quatro anos de idade, totalmente vestida de Cinderela. Lógico que exclamei um "nossa é uma princesa". Ela foi logo me dizendo que era a festa da Maria não sei das quantas, que todas as meninas iam de princesa e que ela ERA uma princesa. Entendi. A mãe olhou para mim rindo  e só conseguiu fazer a seguinte observação"viu como hoje está falante?" e só me ocorreu responder que ela estava "na essência". O que naquele momento era absolutamente verdade. Ouvimos milhares de vezes ao longo da nossa vida que somos princesas e é claro, príncipes. Livros, filmes, revistas, o outro.... Quando a gente veste a roupa certa, estamos na essência do que realmente somos e, por sermos, fica mais fácil trocar palavras e afetividade. Acho que necessito encontrar mais princesas no elevador ou , talvez ,vestir mais minha alma com a roupa certa.

sábado, 21 de abril de 2012

Brasília


Uma cinquentona, com celulite e estrias, que se recusa em sua modernidade a ver o tempo passar, embora as marcas sejam visíveis e muitas vezes irreversíveis. E dai? Que tem fé em santos, espíritos, discos-voadores, árvores, bruxas, energia solar e o que mais vier, tudo junto e literalmente misturado. Que tem no céu , o mar e um horizonte que provoca suspiros nos avisados e desavisados. Poderosa. Feita de claridade e de tantos “brasis”. Construída de gente, de verde, espaços ...Quadras,entrequadras,tesourinhas. A cidade que amo, a minha cidade: Brasília. Linda de viver.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Oportunidade

As oportunidades que a vida oferece, nem sempre estão lá quando desejamos, de vez em quando, leva um tempo. O nosso momento, nem sempre é o momento da vida. Queremos tudo com urgência, para hoje ou melhor para ontem. Só que a vida não entende essa urgência. Não interessa o que dizem os astros, a cartomante, a borra de café e todas as outras leituras que podem ser feitas sobre o futuro, se queremos o agora. Só que é preciso ter paciência para plantar e colher …Olhar o céu e esperar a chuva. Aguardar as oportunidades sabendo que elas existem. Podemos começar como um ponto para virarmos estrelas no nosso destino, mas para isso é preciso acreditar. Aprendi que preciso começar por mim para chegar ao outro. Acreditar na vida é necessário para que ela também acredite em mim.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012


Não sei em que você acredita: se no abraço na árvore, em orar ou rezar. Se acredita apenas em si ou em voltas e continuações...Conheço uma pessoa que está passando por um momento bem dificil. Ela resolveu que crê mais em si do que em Deus. Talvez ela não perceba que crer em si é crer em algo maior, além da nossa compreensão. Para mim, o nome é Deus, mas para outra pessoa pode não ser. Porque acreditarmos em nós mesmos é também uma questão de fé. Eu, particularmente, não sei como viver sem essa chama, embora muitas vezes ela seja testada, assim como a paciência. Questionar os motivos dos altos e baixos em nossas vida também faz parte dessa nossa natureza humana (questiono todos os dias). Quantas vezes a gente não chega ao fundo do poço e vai além dele? E quando conseguimos sair, com várias escoriações, não lembramos da força maior que nos fez ir além? A fé em si, a fé no outro, a fé no existir é capaz de mover montanhas e fazer com que as coisas aconteçam. Quando era pequeno, meu filho me perguntou se eu sabia quem era aquele gordinho que ficava sentado o tempo todo (pela discrição acho que ele falava de Buda), antes que eu respondesse, ele logo emendou um “é assim que tem gente que vê Deus”. Eu tenho toda licença do mundo para enxergá-lo onde eu mais gosto: em você. E isso é  definitivamente uma questão de fé.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Férias de mim

Acordei pensando que preciso tirar umas férias... de mim. É que, às vezes, preciso me  desapegar desse outro que vive em mim  e  que só trabalha, tem preocupações, responsabilidades e que, em certos momentos, é tão ranzinza... Prefiro passar um tempo com aquele outro eu, o que se diverte, adora pipoca, dias de chuva ou sol, desde que tragam junto felicidade. O eu que ama muito, se diverte com família e amigos, vai ao cinema e não tem a menor preocupação com o que pensam ou deixam de pensar.  Preciso tirar férias de mim... Como se faz isso? Com escolhas. Deixando o outro eu de lado e abraçando esse eu feliz. Para isso não é necessário nem comprar passagem...Está decidido: vou tirar férias de mim!

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

O que forma o todo


Me surpreendi outro dia com uma foto minha aos 15 anos. Foto que na época não devo ter gostado, com certeza encontrei um dos inúmeros defeitos que os adolescentes e sua auto/baixo estima sempre encontram. E pensei que nunca mais vou ter aquela idade mas, com certeza, vou viver esse momento sempre que quiser. .. Para isso servem as lembranças. Não adianta buscar o rosto, o jeito, os sonhos ….Eles ficaram ali naquele instante registrado magicamente . A tal felicidade em um click. Crescer nem sempre é uma tarefa fácil, construir, reconstruir é sempre difícil. Enfrentar as perdas, comemorar os ganhos, achar a vida um tédio ou uma surpresa constante. Olho as fotos de um tempo que não volta mais e, no entanto, está dentro de mim para sempre...Aquela garota continua aqui, um pouco crescida reconheço, um pouco diferente no exterior. Envelhecida? Não, apenas vivida. O olhar dos outros não é o que me faz, mas o meu olhar sobre o que sou. Com alguma cicatrizes e machucados novos, mas todos devidamente tratáveis. O tempo é realmente o senhor que cura porque nos faz viver. A minha alma está aqui inteira e se manifesta sempre que olha uma imagem do que fui e do que sou. Fragmentos que formam um todo e projetam sempre um futuro.