quinta-feira, 5 de maio de 2016

Morrer de viver


Estava pensando nas milhares de oportunidades que a vida nos dá todos os dias e que nem percebemos. Na chance de fazermos novo, melhor ou simplesmente não fazermos nada. De contar cada dia como menos um ou mais um e de se repetir naquelas atitudes que prometemos nunca mais fazer igual. Estava pensando na vida e em como ela nos torna plenos de tudo aquilo que buscamos para sermos mais meio cheios do que vazios.Se a gente nasce, cresce, morre, ao morrer  não quero um rótulo como  morreu de amor, ou então que morreu  de velhice  ou de  doença. Se as escolhas são permitidas e optamos pelo caminho diariamente,  quero a melhor opção de todas,  simplesmente morrer de viver.