segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Grata pelo outro

Outro dia liguei para uma amiga minha para desejar Feliz Aniversário. Dessas amigas para quem eu ligo pelo menos uma vez por ano, que conheço desde a pré-história, mas que a vida levou por destinos diferentes. O incrível é que moramos na mesma cidade. Ao terminarmos nossa conversa ela disse “sou muito grata por você fazer parte da minha vida”. Gratidão mútua, que me deixou comovida. Não por ela ser uma dessas amigas que amamos sem nunca ver, porque em algum momento nos ajudou a sermos protagonistas da nossa existência, mas por ter esse sentimento de gratidão pelo outro. Ser grata pelo outro. Ser grata apenas pelo fato de que, em algum momento, o outro ter participado dessa pintura que é nossa vida. Obra de arte? Nem sempre. Às vezes, tão imperfeita que parece o contrário. Sem retoques, com manchas, sombras, luz e cor. Mas, com a contribuição desse outro que passou ou ficou, disse olá, adeus, te amo, te odeio, obrigada ou já vai tarde. De quem deu alegrias e também fez chorar. Ser grata pelo outro é permitir os altos e baixos. É admitir que nem tudo é fácil e que a graça reside aí. É abrir passagens para que  outros  outros venham e transformem nossa vida. Os antigos são sempre bem vindos. Ser grata ao outro é saber que existe alguém  que também nos ama sem ver,  porque fazemos ou fizermos parte de sua vida.

Um comentário:

  1. Eu sou muito grata a pessoas como você, amiga, que dão tanta cor à minha vida! :-)

    ResponderExcluir