terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Arriscar-se

Estava aqui pensando em mudanças, começos e recomeços. Há algum tempo li o livro “Comer, Rezar e Amar”, de Elizabeth Gilbert. Vi o filme também. Mas, nada é melhor do que manusear um livro, hábito quase esquecido na estante nos dias de hoje e que adoro. Com a leitura desse livro descobri que todo mundo tem, ou pelo menos deveria ter ,uma palavra. E descobri a minha : arriscar-se. A gente já começa nesse planeta se arriscando, ou seja, nascendo. Tem coisa mais arriscada do que enfrentar o mundo, depois do quentinho do ventre materno? Depois iniciamos nosso processo de crescimento. Com ele toda expectativa: os primeiros passos, tombos, escola, puxões de cabelo e beliscões, que às vezes, vêm de brinde com os primeiros coleguinhas, ou mesmo, com o irmãozinho, irmãzinha. Enfim, arriscamos e percebemos que começar a viver , às vezes, é doloroso, mesmo assim, seguimos em frente, nos arriscando diante do desconhecido. Porque viver também pode ser prazeroso. E o que mais ouvimos nessa fase da vida? Não! Estamos o tempo todo a nos arriscar, a testar nossos limites e a paciência dos pais. E vamos crescendo e descobrindo as coisas que existem : as positivas e negativas. Descobrimos que o amor existe, a amizade, a solidariedade, a superação e até mesmo, o perdão. Descobrimos outros sentimentos como o ciúme, a inveja, a ira. Enfim, Que os pecados capitais estão todos no cotidiano, mas quem disse que a redenção também não está? Alguns descobrem Deus, outros ainda O procuram, tem quem nem se dê ao trabalho e outros preferem mesmo é abraçar uma árvore. Que seja. Arriscar-se é a minha palavra predileta. Nem sempre sinônimo de coragem, às vezes, até de uma certa covardia e medo. Nessas horas, somos impulsionados por uma força, que pode até ser  a estranha da música, mas  que, certamente, nos leva a algum lugar. Ao crescer, nos arriscamos no trabalho, nas tarefas do dia a dia. Aprendemos a ouvir não com a sensação de déjà vu e, mesmo assim, arriscamos porque queremos que nos seja permitido. Neste ano que começa, desejo a você que se arrisque. Que transforme sonhos em realidade, que supere a negativa protetora ou desafiadora. Isso não quer dizer pular de um penhasco ( a não ser que você seja adepto de esportes radicais). Talvez seja necessário, apenas escalá-lo. Permita-se. Se você quiser, eu te empresto minha palavra.

Obs: Reparou quantos "não" a gente diz e escreve?

2 comentários:

  1. gosto muito da palavra arriscar! acho que é sintetiza bem fugir da rotina e ir atrás dos sonhos! beijos

    ResponderExcluir
  2. Amiga,
    Arriscar é a palavra que precisamos sempre ter como primeira na nossa vida. É ela que move a engrenagem da curiosidade que motiva nossas vidas. Beijos

    ResponderExcluir