quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Pai e pássaros

Meu pai amava os pássaros de um jeito que era todo dele...  O jeito de quem realmente conviveu com grandes dificuldades nessa vida  e mesmo assim aprendeu a ser feliz. Talvez a idéia de voar o atraísse muito e a liberdade não tivesse outra forma que não fosse a de uma ave. Meu pai encontrou seu jeito de voar há alguns anos ...Toda vez que vejo um Bem-te-vi tenho certeza que é também  um jeito dele  me dizer um olá e de que  vai ficar tudo bem.  Hoje  foi um desses dias, em que eu precisava de um desses "ois". Incrível como ele vem! Os pássaros e a liberdade combinavam com meu pai, como combinam com qualquer pessoa  que sabe amar do seu jeito. O amor nem sempre vem em grandes demonstrações, em grandes abraços, nem sempre  está  na perfeição. O ser imperfeito, às vezes, é o mais querido. O todo errado é o todo certo. O amor é conquista dos dois lados, até mesmo entre pais e filhos.  Às vezes está em uma pergunta, em um apelido carinhoso, na superação de uma decepção ... O amor, às vezes, está na compreensão de que todos erramos, que buscamos um caminho certo e de vez em quando, o encontramos. Meu pai tinha defeitos que eram na realidade qualidades.  O que para muita gente é só um pássaro pode ser a lembrança de um pai . Isso é ter muita sorte! Liberdade é o que desejo na saudade de um pai.

Nenhum comentário:

Postar um comentário